LUXÚRIA – O PECADO DO VATICANO


 “Uma associação americana de vítimas de padres pedófilos anunciou nesta terça-feira ter apresentado uma queixa ante o Tribunal Penal Internacional (TPI) contra o Papa Bento 16 e outros dirigentes da Igreja católica por crimes contra a humanidade.
Os dirigentes da associação SNAP, orientados pelos advogados da ONG americana "Centro para Direitos Constitucionais", entraram com uma ação para que o Papa seja julgado por "responsabilidade direta e superior por crimes contra a humanidade por estupro e outras violências sexuais cometidas em todo o mundo".
A organização acusa o chefe da Igreja católica de "ter tolerado e ocultado sistematicamente os crimes sexuais contra crianças em todo o mundo". À queixa acrescentaram 10.000 páginas de documentação de casos de pedofilia”.  Fonte: AFP

O Apocalipse se utiliza de muitas condenações para o Papado através da profecia. No capítulo 18 de Apocalipse, no último quadro profético, a Igreja Romana é retratada como a grande cidade e chamada de Babilônia. E sua condenação é feita:

“Caiu! Caiu a grande Babilônia e se tornou morada de demônios, covil de toda espécie de espírito imundo e esconderijo de todo gênero de ave imunda e detestável, pois todas as nações têm bebido do vinho do furor da sua prostituição. Com ela se prostituíram os reis da terra. Também os mercadores da terra se enriqueceram à custa da sua luxúria” v.2.

Luxúria é o último (dos muitos) pecados condenados da Igreja Romana. A luxúria é um pecado sexual - pedofilia, homossexualismo, adultério e fornicação – dos quais muitos são práticas de muitos clérigos.

O Apocalipse deflagra a luxúria de Roma. Mas também anuncia sua condenação – “Por isso, em um só dia, sobrevirão os seus flagelos: morte, pranto e fome; e será consumida no fogo, porque poderoso é o Senhor Deus, que a julgou” v.8.

No capítulo 13, sob a figura da ‘Besta que saiu do mar’ a condenação é motivada por:
“Se alguém leva para cativeiro, para cativeiro vai. Se alguém matar à espada, necessário é que seja morto à espada”. v.9 e 10. 

O Papado aqui era condenado a ser preso e morrer pela espada, instrumentos que usava na idade média para perseguir os cristãos que se recusavam a aceitar seus dogmas.

No capítulo 17, agora sob a figura de uma Prostituta, a condenação é por:
“grande meretriz... com quem se prostituíram os reis da terra; e, com o vinho de sua devassidão, foi que se embebedaram os que habitam na terra. (...) Então, vi a mulher embriagada com o sangue dos santos e com o sangue das testemunhas de Jesus” v.2 e 6.

A Bíblia não poupa a Igreja Romana e a retrata como uma ‘meretriz’. Ela está bêbada com o ‘sangue dos santos’; é notório os milhares de crentes mortos pela ‘santa inquisição’.

A sua condenação é: “a farão devastada e despojada, e lhe comerão as carnes, e a consumirão no fogo” v.16.
Se os tribunais terrestres não condenarem o papado pelos seus pecados, Deus já julgou e a condenação vai ocorrer sem misericórdia. 

Veja notícias relacionadas:


UMA DÉCADA PERDIDA – A QUEDA DA SEGUNDA BESTA

“No afã de responder aos ataques do 11 de Setembro, os Estados Unidos colocaram o Oriente Médio e a Ásia Central no topo de suas prioridades políticas. Nos últimos dez anos, essas regiões têm ocupado suas atenções, a que os historiadores se referem como "a década perdida".

Uma coisa é certa: o status quo, aquele que existia antes de 2001, esse não existe mais", diz Larry Birns, diretor do COHA”. BBC

O olhar do estudante  da Bíblia para os eventos que ocorrem na atualidade é diferente dos demais observadores. Com as ‘lentes’ da profecia enxergamos mais a frente, e sob um ângulo que os demais desprezam.

O Apocalipse 18 narra a ‘queda de Babilônia’ (18:2), a força opositora dos desígnios Divinos aqui na Terra. Mas Babilônia não é o único reino descrito na profecia. O capítulo 13 de Apocalipse possui dois protagonistas – ‘a besta que sobe do mar’(v.1) e a ‘besta que sai da terra’ (v.11).

A progressão das visões a partir do capítulo 13 é desenvolver a figura mística da besta que sai do mar, apresentando outros aspectos deste reino, através de imagens diferentes – a prostituta (cap. 17) e a cidade (cap.18). Todas as duas concluem em um colapso da mulher prostituída (17:16) e da cidade que é queimada (18:9).

Se a primeira besta é destruída, o que poderia se esperar de sua coadjuvante, a segunda besta, que os interpretes protestantes indicam ser os EUA?

A década perdida, referenciada no início desta postagem, pode ser o início da ‘queda da segunda besta’ (EUA). A exemplo da primeira besta (Vaticano) que é destruída nas cenas da profecia, os EUA talvez seja ser o primeiro alvo da Divindade.

Esta nação norte-americana é que oferece suporte para as intenções do Vaticano em seduzir o mundo –
Também exercia toda a autoridade da primeira besta na sua presença; e fazia que a terra e os que
nela habitavam adorassem a primeira besta, cuja ferida mortal fora curada” Apocalipse 13:12.

O enfraquecimento da nação dos EUA faz parte do roteiro Divino para o enfraquecimento e queda do
Vaticano também.

A queda de Babilônia (Vaticano) seria precedida pela queda dos Norte-americanos? Talvez.

Só o cumprimento da profecia poderá nos dar a certeza; mas as cenas que presenciamos indicam que
poder ser este o ato final.

MUDANÇAS DE UMA DÉCADA – 2001-2011


Talvez a maior mudança que os eventos de 11 de Setembro de 2001 provocaram no cenário mundial foi a centralização da religião.

Foi uma motivação religiosa que provocou a maior catástrofe terrorista deste século.

A religião ocupou o cenário político, militar e social. No século 20 a religião ocupava a mídia somente nas noites de natal. Hoje o Islamismo e o Cristianismo são explorados nas discussões ideológicas em quase todos os meios de comunicação.

A grande questão no século 21 é religiosa.

Justamente como a profecia apocalíptica previu, dois reinos – 1ª e 2ª besta – trabalham de forma conjunta para promover questões morais. EUA e Vaticano tem a pretensão de estabelecer o cristianismo e seus princípios para todas as nações.

‘Uma década depois dos ataques que mataram quase 3 mil pessoas nos Estados Unidos em 11 de setembro de 2001, os muçulmanos que vivem no país ainda enfrentam o desafio de apagar a imagem negativa sobre sua religião."A nossa religião também foi sequestrada naquele dia", disse à BBC Brasil o paquistanês Naseem Mahdi, vice-presidente da organização islâmica Ahmadyya Muslim Community nos Estados Unidos”. BBC

Opositor do cristianismo, o Islamismo deveria sair de cena. Esta religião é protagonista das duas últimas ‘Trombetas’ (profecias dos capítulos 08 e 09 do Apocalipse). O Islã é um figurante do cenário profético que se envolve em ataques ao Papado na idade média, para enfraquecer esse poder e libertar os povos da Europa de seu governo opressor.

Foi o Islã que enfraqueceu a influência do cristianismo romano na Europa medieval e para a posterior prisão do Papa em 1798.

O grande propósito Divino é eclipsar os rivais do cristianismo verdadeiro; o enfraquecimento do Islã e do cristianismo romanizado estão na agenda da profecia.

10 ANOS DEPOIS DE 11 DE SETEMBRO

A figura que o Apocalipse oferece dos EUA na profecia, é de uma nação opressora e divulgadora dos propósitos da 1ª Besta (Vaticano).

Talvez, o grande propósito Divino é enfraquecer essa força opositora; e os eventos dos ataques terroristas de 10 anos atrás tiveram esse propósito.

O que presenciamos desde o ano de 2001 para cá é um enfraquecimento da nação norte-americana. Crises financeiras, instabilidade social, e até inundações, furacões, incêndios.

“Um estudo feito pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE, na sigla em inglês) mostra quais são os principais riscos para a economia e a política mundial nos próximos anos. Dentre eles, estão a possibilidade de novas crises financeiras, agitações sociais, ataques cibernéticos e pandemias. Pode parecer mero exercício de futurologia, mas os argumentos da OCDE são convincentes. A organização levou em conta cenários atuais e bem familiares para reproduzir episódios que podem se repetir. A crise econômica de 2008, os protestos na Grécia e nos países árabes e a pandemia da gripe suína são alguns dos exemplos do por que o mundo deve se preparar para futuros choques”. EXAME

“O grupo Al Qaeda no Iraque teria feito um comunicado pela Internet no qual afirma que a destruição causada pelo furacão Katrina foi um castigo divino.De acordo com o comunicado divulgado pela Internet e atribuído ao grupo militante, as mortes causadas pelo furacão foram decorrentes da "ira de Deus"."Deus atacou os Estados Unidos e as orações dos oprimidos foram atendidas", dizia o texto. O comunicado afirmava ainda: "A ira do todo poderoso caiu sobre a nação dos opressores. Seus mortos são milhares e suas perdas são bilionárias"."Até recentemente, os Estados Unidos assassinavam e matavam de fome a quem desejassem. Agora, eles estão suplicando por petróleo e por comida", dizia o texto”. BBC

“A candidata à indicação republicana Michele Bachmann afirmou que o terremoto e o furacão (Irene) que atingiram a costa leste dos Estados Unidos eram a forma encontrada por Deus de chamar a atenção sobre os problemas dos americanos. Bachmann, que discursou durante uma reunião política na Flórida (sudeste), declarou: "Não sei o que Deus precisa fazer para chamar a atenção dos políticos. Tivemos um terremoto, tivemos um furacão. Ele disse: "vão começar a me ouvir?". BBC
Uma década depois vemos os americanos lutando com Deus e o mundo. Quem você acha que vai vencer?

“Na véspera das cerimônias que vão marcar os dez anos dos atentados de 11 de setembro de 2001, que mataram quase três mil pessoas nos Estados Unidos, o presidente Barack Obama disse neste sábado que, uma década depois, o país está mais forte. Graças aos esforços incansáveis dos nossos militares, agentes de inteligência, da lei e de segurança interna, não deve restar dúvida. Hoje, os Estados Unidos estão mais fortes, e a Al-Qaeda está no caminho da derrota", disse Obama em seu pronunciamento semanal”. BBC

Essa é ótica de Obama, mas certamente não é a da profecia.

“Houve tempos em que os políticos dos Estados Unidos não sabiam ao certo onde iria parar a crise financeira. Mas num ponto estão absolutamente de acordo: os EUA não podem tomar o rumo do Japão. A economia esteve muito flexível, a resposta à crise foi dramática, e o eleitorado muito franco para que uma estagnação ao estilo japonês ocorresse nos EUA. Em termos de crescimento econômico, o desempenho dos EUA nos cinco anos após a crise não parece melhor que o registrado no Japão após o estouro da bolha de ativos no fim dos anos 1980”. BBC

Uma década depois temos os EUA cada vez mais enfraquecido no cenário mundial.

11 DE SETEMBRO SOB A ÓTICA BÍBLICA


Os EUA não foi a única potência atacada por uma obscura tribo nômade.

Nos primeiros séculos de nossa era, o Império Romano foi a grande potência do planeta; o governo romano era opressor e principalmente perseguidor.

Jesus identificou essa potência como “abominação de desolação” (Mateus 24:15)  indicando sua devastadora ação sobre a humanidade.

Porém, esse império por sua ação opressora foi castigado por Deus através das tribos bárbaras e por fim entrou em colapso.

Isto foi delineado pela profecia através das visões das 7 Trombetas, que apontam para a queda do império opressor.

A interpretação histórica-bíblica entende como os eventos descritos nas trombetas como a ação de tribos bárbaras e de povos obscuros que minaram as forças do império.

Os Visigodos, Vandalos, Hunos e Árabes, foram os povos responsáveis pelos constantes ataques ao império e suas capitais, Roma e Constantinopla, causando a queda do império romano no ocidente e oriente.

Deus se utiliza dos mesmos métodos nos últimos dias; os EUA são a potencia da história presente. Esses ataques apenas são um lembrete de que o poder militar e financeiro desta nação não são suficientes para garantir sua estabilidade.

Os EUA é o grande poder opressor da atualidade; a exemplo do ocorreu com o império romano, Deus se utilizará de todos os meios para anular a força opositora.

O Apocalipse (Cap. 13) aponta para esta nação como a 2ª Besta, ou segundo poder descrito pela profecia que atua contra os propósitos Divinos.

Entende-se que os eventos ocorridos a uma década refletem um enfraquecimento imposto pelas forças celestiais a esse império que apóia e divulga os propósitos da 1ª Besta.