SERIA O INÍCIO DA QUEDA DE BABILÔNIA?


“Bento 16 desembarcou na Espanha nesta quinta-feira, para participar das Jornadas Mundiais da Juventude, em meio a discussões sobre os limites entre as leis nacionais e os postulados do Vaticano.

Bento 16 foi recebido por autoridades do Estado e pela família real espanhola. No entanto, a expectativa é que diversas manifestações contrárias à vista do Pontífice aconteçam durante os quatro dias do evento.

Na última quarta-feira, uma passeata liderada por laicos, católicos críticos com o Vaticano, homossexuais e a corrente chamada Indignados (jovens que acamparam no centro de Madri há dois meses) percorreu as ruas do centro de Madri em protesto contra a visita.

Com cartazes que criticavam e ironizavam o papa, eles repetiam a frase "com meus impostos, não. Para o papa zero centavos", em alusão ao fato de que o Estado espanhol financiou 50% dos 50 milhões de euros (R$ 114 milhões) que custaram a viagem.

A manifestação terminou com conflitos entre laicos e jovens católicos que decidiram tentar impedir o protesto. Oito pessoas foram presas e outras 11 ficaram feridas”.
Fonte: BBC

A profecia de Apocalipse 18 prevê que a Igreja Católica terá um fim estrondoso. As descrições da Revelação traçam um quadro futuro de juízos, destruição e morte.

“8  Por isso, em um só dia, sobrevirão os seus flagelos: morte, pranto e fome; e será consumida no fogo, porque poderoso é o Senhor Deus, que a julgou.
9 Ora, chorarão e se lamentarão sobre ela os reis da terra, que com ela se prostituíram e viveram em luxúria, quando virem a fumaceira do seu incêndio,
10  e, conservando-se de longe, pelo medo do seu tormento, dizem: Ai! Ai! Tu, grande cidade, Babilônia, tu, poderosa cidade! Pois, em uma só hora, chegou o teu juízo”.

A profecia indica por duas vezes um ‘incêndio’ a causa de sua destruição. E que isto era motivado por sua luxúria (do latim luxuriae, é o desejo passional e egoísta por todo o prazer sensual e erótico) – “O quanto a si mesma se glorificou e viveu em luxúria, dai-lhe em igual medida tormento e pranto, porque diz consigo mesma: Estou sentada como rainha. Viúva, não sou. Pranto, nunca hei de ver!” v.7


As manifestações públicas e populares contra os dogmas (absurdos) da igreja católica, cada vez mais crescem em impopularidade.


Na Espanha já acontecem confrontos entre a população.


O estilo de vida dos clérigos católicos cada vez mais despertam a indignação da população, que percebe uma discrepância absurda daquilo que pregam e o que vivem.


Luxúria, luxo, gastos de dinheiro público (57 milhões) só na viagem para a Espanha e dezenas de incoerências teológicas causam a indignação dos cidadãos.


As manifestações contra o papado sempre ocorreram, mas vem se tornando cada vez mais forte; a europa principalmente cada vez mais protesta contra o papado e seus dogmas irracionais.


A destruição de Babilônia esta muito próxima – assim como a Segunda Vinda de Jesus.
Talvez essas constantes manifestações e cada vez mais numerosas reações violentas ao papado seja um sinal do cumprimento desta profecia de Apocalipse 18.


”Ouvi outra voz do céu, dizendo: Retirai-vos dela, povo meu, para não serdes cúmplices em seus pecados e para não participardes dos seus flagelos; porque os seus pecados se acumularam até ao céu, e Deus se lembrou dos atos iníquos que ela praticou”v.3 e 4.

CONFESSIONÁRIOS - UMA PRETENSÃO BLASFÊMA




“Duzentos confessionários portáteis foram construídos no Parque do Retiro, em Madri, para receber fiéis que estão na capital da Espanha por causa da visita papal.

Bento 16 fica na cidade até domingo e, no sábado, deve ouvir algumas confissões pessoalmente.

Milhares de jovens estão na cidade para as Jornadas Mundiais da Juventude. Os organizadores afirmam que pessoas de 193 países viajaram para a Espanha.

Mais de dois mil padres foram mobilizados pela Igreja Católica para atender os fieis”.
Fonte: BBC

A Bíblia jamais ensina que nossos pecados devem ser confessados a homens, mas sim a Deus – “Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça” 1 João 1:9  . 

O único Ser que podemos depositar nossas confissões é Jesus – “Filhinhos meus, estas coisas vos escrevo para que não pequeis. Se, todavia, alguém pecar, temos Advogado junto ao Pai, Jesus Cristo, o Justo; e ele é a propiciação pelos nossos pecados e não somente pelos nossos próprios, mas ainda pelos do mundo inteiro” 1 João 2:1 e 2.

Nenhum homem, mesmo que seja um sacerdote, clérigo ou padre tem o poder de perdoar pecados. O perdão dos pecados é uma prerrogativa Divina – “Quem pode perdoar pecados, senão Deus? (...) para que saibais que o Filho do Homem tem sobre a terra autoridade para perdoar pecados” Lucas 5:21 e 24.

Confessionários, confissões auriculares, padres atendendo aos fiéis, nada disso funciona. Essa talvez seja a doutrina católica mais perversa, pois desvia de Jesus a Sua obra principal que é perdoar o pecador.

O irmão de Jesus, Tiago, é categórico em afirmar que “a oração da fé salvará o enfermo, e o Senhor o levantará; e, se houver cometido pecados, ser-lhe-ão perdoados” Tiago 5:15. Jamais foi uma rotina dos cristãos do primeiro século ou da igreja apostólica o perdão por parte dos sacerdotes.

Por todos os séculos os crentes que se utilizaram dela, jamais tiveram seus pecados perdoados.

A doutrina de 'confissão auricular' ou de confessionários é mentirosa e blasfema.

QUEM É A MULHER DE APOCALIPSE 12?



O Apocalipse é um livro simbólico e repleto de figuras e imagens que nos remetem ao Antigo Testamento.

Por várias vezes a igreja judaica foi apresentada em símbolos na profecia como uma mulher; a imagem profética mais clássica das profecias vetero-testamentárias é a de Ezequiel 16.

Trata-se de um conto de romance onde Deus se descreve como um homem que se compadece de um bebê que foi abandonado; Ele a trata, a alimenta até que esteja adulta, e daí se apaixona por ela e a toma em casamento. Porém ela em sua maldade o trai e se torna prostituída.

A figura é clássica e retrata a Jerusalém ou a religião judaica – v.2 “Filho do homem, faze conhecer a Jerusalém as suas abominações”.

No Apocalipse a mulher de Apocalipse 12 também é relacionada com uma cidade – “A mulher que viste é a grande cidade que domina sobre os reis da terra” Apocalipse 17:18.

A mulher do capítulo 12 é vista pela última vez na cena do Apocalipse indo para o deserto – “v.14  e foram dadas à mulher as duas asas da grande águia, para que voasse até ao deserto”.

Depois de voltar do deserto ela é retratada assim na profecia –“[no] deserto, vi uma mulher montada numa besta escarlate, besta repleta de nomes de blasfêmia, com sete cabeças e dez chifres. Achava-se a mulher vestida de púrpura e de escarlata, adornada de ouro, de pedras preciosas e de pérolas, tendo na mão um cálice de ouro transbordante de abominações e com as imundícias da sua prostituição” 17:2 e 3.


Se Jerusalém era tida como uma mulher infiel no Antigo Testamento, no Apocalipse a mulher prostituída está no Vaticano. As figuras proféticas são claras e relacionáveis.


A mulher de Apocalipse 12 é a mesma do capítulo 17, mas agora se encontra prostituída. Se fez infiel, como a igreja judaica no passado, bem retratada no capítulo 16 de Ezequiel.

QUEM É A MULHER DE APOCALIPSE 12? 2a Parte




Por quê a mulher de Apocalipse 12 é a igreja apostólica? (e não Maria, mãe de Jesus como alguns pretendem)


1.       O Apocalipse é um livro simbólico e aqui se utiliza claramente de símbolos (Dragão, mulher de asas, rio ajudando a mulher etc.)

2.       É visto um ‘sinal’ no céu (v.1) e não uma pessoa no céu; se Maria estivesse no céu, João mencionaria.

3.       É dito que “o seu filho foi arrebatado para Deus até ao seu trono” (v.5), e nada sobre a suposta ‘mãe’ deste filho.

4.       A mulher é levada ao deserto por 1260 dias; em profecia isso equivale a 1260 anos – isso certamente não se aplica ao tempo de vida de Maria.

5.       O evento descrito como “a serpente arrojou da sua boca, atrás da mulher, água como um rio, a fim de fazer com que ela fosse arrebatada pelo rio” não corresponde a nada na vida de Maria, mas se aplica ao período de perseguição da igreja na Europa.

6.       “A terra, porém, socorreu a mulher; e a terra abriu a boca e engoliu o rio que o dragão tinha arrojado de sua boca”; também não se aplica a vida de Maria, mas ao período em que a igreja encontra exílio seguro na América.

7.       “Irou-se o dragão contra a mulher e foi pelejar com os restantes da sua descendência” – a descendência de Maria não foi a única perseguida pelo Dragão; mas os crentes de todas as épocas sofreram perseguições de diferentes formas.

8.       “sua descendência” – se aplica-se a Virgem Maria (como postula a teologia católica), que descendentes seriam esses da Virgem? Houve mais nascimentos virginais de Maria? Incoerente.

9.       “sua descendência, os que guardam os mandamentos” – essa descendência da ‘mulher’ ou igreja obedece aos mandamentos de Deus; ou seja não adoram imagens (2º mandamento) e adoram no sétimo dia (4º mandamento), artigos da Lei que foram literalmente mudados pela teologia católica que admite adoração de imagens e culto aos domingos.

10.   “sua descendência, os que guardam os mandamentos de Deus e têm o testemunho de Jesus” – a teologia católica ‘testemunha’ mais de Maria do que de Jesus. Maria esta morta, aguardando a ressurreição. Não esta no céu. O único que esta no céu a direita de Deus é Jesus – “E o seu filho foi arrebatado para Deus até ao seu trono” 12:5.

11.   De Jesus é dito que “o Cordeiro que se encontra no meio do trono os apascentará e os guiará para as fontes da água da vida. E Deus lhes enxugará dos olhos toda lágrima” 7:17. Ou seja quem intercede e zela pela ‘descendência’ dos crentes é Jesus. Maria não tem função intercessora.

12.   “Porquanto há um só Deus e um só Mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem”  1 Timóteo 2:5. Nosso mediador é um HOMEM e não uma mulher. Na teologia Paulina, Jesus é o Mediador entre Deus e o homem. Maria a mãe de Jesus é mencionada só uma vez fora dos Evangelhos (Atos 1:14). E isso não se refere a sua ascensão ao céu.



Por quê a mulher de Apocalipse 17 é a igreja católica apostólica?

1.       A ‘mulher’ de Apocalipse 12 é mencionada como indo ao deserto em fuga; a ‘mulher’ do capítulo 17 é descrita como “num deserto e vi uma mulher montada numa besta escarlate, besta repleta de nomes de blasfêmia, com sete cabeças e dez chifres” v.3.

2.        Ela é identificada como a “grande meretriz que se acha sentada sobre muitas águas” v.1. Ora no Apocalipse é codificado que “as águas que viste, onde a meretriz está assentada, são povos, multidões, nações e línguas” 17:15. A Europa é o berço dos povos e nações, e onde se encontra o Vaticano.

3.       É declarado desta igreja que “se prostituíram os reis da terra; e, com o vinho de sua devassidão, foi que se embebedaram os que habitam na terra” v.2. O Vaticano no passado e no presente sempre esteve envolvida com política e assuntos de estado. A ‘prostituição’ se constituiu de concessões em favor da política.

4.       A profecia descreve a “mulher montada numa besta escarlate, besta repleta de nomes de blasfêmia, com sete cabeças e dez chifres”. Essa besta ou animal representa o estado do Vaticano sobre a qual a igreja se sustenta.

5.       O Apocalipse declara: “as sete cabeças são sete montes, nos quais a mulher está sentada” (17:9).  Roma é a cidade das 7 colinas – Campidoglio, Quirinale, Viminale, Esquilino, Celio, Aventino e Palatino.

6.       Outra indicação é feita como “os dez chifres que viste são dez reis, os quais ainda não receberam reino, mas recebem autoridade como reis, com a besta, durante uma hora”. Os 10 chifres são os 10 reinos que originaram a Europa – Francos (França), Alamanes (Alemanha), Saxões (Inglaterra), Lombardos (Itália), Visigodos (Espanha), Suevos (Portugal), Borgundos (Suiça) Ostrogodos, Hérulos e Vândalos.

7.       A riqueza da igreja católica é descrita no v.4 – “Achava-se a mulher vestida de púrpura e de escarlata, adornada de ouro, de pedras preciosas e de pérolas, tendo na mão um cálice de ouro transbordante de abominações e com as imundícias da sua prostituição”. 

8.       É afirmado que a igreja católica não está sozinha na prostituição do evangelho de Jesus Cristo – “Na sua fronte, achava-se escrito um nome, um mistério: Babilônia, A Grande, A Mãe Das Meretrizes E Das Abominações Da Terra. Como mãe é provável que haja suas filhas ou denominações que tem suas doutrinas deturpadas por conceitos católicos.

9.       Talvez a evidência mais forte seja a do v.6 – “Então, vi a mulher embriagada com o sangue dos santos e com o sangue das testemunhas de Jesus; e, quando a vi, admirei-me com grande espanto”. Nada é mais evidente do que o fato desta igreja ter perseguido os cristãos dissidentes e protestantes que não concordavam com as mudanças teológicas.

10.   “A mulher que viste é a grande cidade que domina sobre os reis da terra” v.18; ou o Vaticano. Pode ser argumentado que o Vaticano não domina sobre as nações. Mas a profecia descreve apenas aspectos espirituais, ou seja o domínio é religioso.

O apelo da Palavra de Deus é – “Retirai-vos dela, povo meu, para não serdes cúmplices em seus pecados e para não participardes dos seus flagelos” 18:4.

Os crentes devem sair deste sistema religioso falido – “Caiu! Caiu a grande Babilônia e se tornou morada de demônios, covil de toda espécie de espírito imundo” 18:2 e 3.

Saia já, irmão católico!       

"Jesus é o novo Adão" e "Maria, a nova Eva", afirma o papa - Será?

"Jesus, o novo Adão", e "Maria, a nova Eva" venceram o mal ao qual essas imagens bíblicas do Gênesis sucumbiram. Com essas palavras, Bento XVI definiu o Cristo e sua mãe, por ocasião da festa de Assunção de Nossa Senhora ao Céu, nesta segunda-feira, em Castel Gandolfo.
Dirigindo-se a centenas de peregrinos aglomerados no pátio de sua residência de verão, a 25 km de Roma, o papa, que parecia em boa forma física, apesar dos 84 anos, comentou o Apocalipse e "a luta entre o bem e o mal, simbolizada por uma Mulher, vestida de sol, isto é, de Deus, contra o dragão.
Na passagem do Apocalipse evocada, São João trata justamente da luta do Dragão vermelho contra a Mulher, obrigada a fugir para o deserto por causa da perseguição que sofre.
Joseph Ratzinger, falando sobre o pecado original de Adão e Eva, descrito no livro do Gênese, destacou que se "nossos ancestrais tivessem sido vencidos pelo Maligno, no final dos tempos, Jesus, como novo Adão, e Maria, como a nova Eva, venceriam definitivamente o inimigo".
O papa lembrou que a festa da Assunção - que celebra a subida ao céu da Virgem Maria - é comum aos cristãos do Ocidente e do Oriente.
Tem "suas raízes na fé dos primeiros séculos da Igreja", embora tenha sido o Papa Pio XII que proclamou o dogma, em 1950, destacou.
Fonte: Yahoo/AFP
Sim, Ratzinger está correto. Esse dogma só foi inventado recentemente. Mas está totalmente equivocado quando relaciona a profecia do capítulo 12 de Apocalipse com Maria.
Embora a profecia muito se assemelhe a história de José, Maria e o menino Jesus ao nascer, as cenas apocalípticas não remetem ao ocorrido em Belém e no Egito (deserto para onde Maria teria sido enviada) mas remete a uma profecia que amplia o ‘Grande Conflito’ entre Satanás e a Igreja Judaica-cristã.

É afirmado pela profecia a identidade do “...grande dragão, a antiga serpente, que se chama diabo e Satanás” (v.9).
Ainda é ignorado pela teologia católica que ‘mulher’ em profecia significa ‘igreja’; Efésios 5:32 – “Grande é este mistério, mas eu me refiro a Cristo e à igreja”. 


Seria bom a teologia católica fantasiosa identificar também quem é a mulher de Apocalipse 17. Se a mulher no capítulo 12 é Maria, quem seria a mulher do décimo sétimo capítulo? Essa é identificada como uma prostituta; quem seria ela?


A teologia protestante identifica ambas como ‘igrejas’ ou símbolos da igreja cristã de todas as épocas.


É bom lembrar. Maria está morta, não subiu aos céus como a maioria dos humanos.


E aguarda a ressurreição do último dia como postulou Jesus – “eu o ressuscitarei no último dia” João 6:39.   

POR ONDE CAMINHA A HUMANIDADE?

Você já parou para pensar como vão ocorrer cenas como as descritas no ‘grande conflito’ onde há perseguição, pena de morte e fuga para as montanhas?

Quando a proteção das leis humanas for retirada dos que honram a lei de Deus, haverá, nos diferentes países, um movimento simultâneo com o fim de destruí-los. Aproximando-se o tempo indicado no decreto, o povo conspirará para desarraigar a odiada seita. Resolver-se-á dar em uma noite um golpe decisivo, que faça silenciar por completo a voz de dissentimento e reprovação. 

    O povo de Deus - alguns nas celas das prisões, outros escondidos nos retiros solitários das florestas e montanhas pleiteia ainda a proteção divina, enquanto por toda parte grupos de homens armados, instigados pelas hostes de anjos maus, se estão preparando para a obra de morte”. GC, 635

Como o nosso mundo civilizado pode chegar a cenas ali descritas daquela forma?

Quando vemos a desordem e o vandalismo em países como Inglaterra e França, compreendemos que estamos em um sub-mundo onde o mal está tomando conta da mente dos humanos.

“Cenas vistas nos últimos dias em Londres e em outras cidades mostram pessoas destemidas entrando em lojas e saindo com TVs de tela plana debaixo dos braços.

Muitos dos saqueadores não se preocuparam sequer em cobrir o rosto, ao invadir lojas de eletrônicos, de itens esportivos e de bebidas.

Alguns ainda posaram para fotos, exibindo com orgulho sua "conquista" e publicando a imagem em mídias sociais.

Poder intoxicante

Para o criminologista John Pitts, especialista em jovens e gangues, é bastante provável que os líderes dos distúrbios sejam presos, mas muitos dos que participaram não serão punidos.

"Os mais jovens estão acostumados aos adultos lhes dizerem que eles não podem fazer algo ou terão de sofrer as consequências. E então, eles fazem o que querem e nada acontece".

O criminologista acredita que o grande número de jovens envolvidos se deve também ao fato de as escolas britânicas estarem em férias nesta época do ano.

Segundo Pitts, o número de participantes em distúrbios desse tipo é fundamental, já que eles tornam saqueadores no momento que eles se sentem no controle da situação.

"Isso porque você não pode fazer protestos como esses sozinho. Um distúrbio com apenas uma pessoa não passa de um acesso de raiva. Em algum momento, uma multidão enfrentando a polícia percebe que está no controle."

Tendências psicopatas

Psicólogos argumentam que uma pessoa perde sua identidade moral quando está em um grupo amplo, corroendo a empatia e a culpa – qualidades que coíbem o comportamento criminoso.

"A moral é inversamente proporcional ao número de pessoas observando", afirma James Thompson, especialista em psicologia na Universidade de Londres.

"Quando você tem um grande grupo de pessoas relativamente anônimas, você pode fazer basicamente o que quiser."

Thompson rejeita a ideia de que alguns dos saqueadores estavam apenas seguindo o fluxo quando a violência explodiu. Segundo ele, há sempre uma escolha a ser feita.

Ver pessoas que saíram impunes pode, segundo o psicólogo Lance Workman, servir de motivação para que outros comecem a saquear.

"Os seres humanos são os melhores do planeta na arte de imitar. E temos a tendência de imitar o que é bem sucedido. Se você vê uma pessoa saindo de uma loja com uma TV e um par de tênis, alguns pensarão: por que eu não vou fazer isso também?"

Workman afirma que alguns dos manifestantes podem adotar um código moral em suas mentes: "ricos têm coisas que eu não tenho, então é justo que eu pegue essas coisas".

No entanto, segundo ele, evidências sugerem que líderes de gangues estão propensos a ter tendências psicopatas.

Hooligans

Essa ideia de uma "mentalidade das multidões" pode ser encontrada também nos hooligans, torcedores que causam violência em jogos de futebol.

O ex-hooligan do Manchester United Tony O’Reilly afirma que há similaridade entre os saques desta semana e a violência em estádios, da qual ele fez parte por 30 anos.

"É um fator de empolgação. Você não consegue se livrar daquela emoção. É uma sensação de que algo está acontecendo."

Para a maioria, é essa emoção que conta – as "coisas grátis" são apenas um bônus. Mas não para os líderes que incentivam a multidão a invadir lojas.

O’Reilly diz que participou de um distúrbio com torcedores do Manchester United que terminou com o saque de uma joalheria.

"A multidão em si não tinha como alvo a joalheria, mas alguns dos criminosos usaram o grupo, que se juntaram a eles."

Mulheres e crianças

Acadêmicos dizem, porém, que o fator sócio-econômico também deve ser levado em conta nessa equação.

"Para muitos saqueadores, é apenas uma oportunidade, mas também uma maneira de expressar um sentimento de 'onde mais eu vou conseguir essas coisas?'", afirma o sociólogo Paul Bagguley, da Universidade de Leeds.

Segundo ele, homens jovens costumam entrar em confronto com a polícia, enquanto saqueadores podem incluir até mesmo mulheres e crianças.

"É bastante provável que muitas pessoas que saquearam nunca tenham feito isso antes. Nessas situações, há uma sensação de que as regras normais da sociedade não se aplicam."

Pitts afirma ainda que esses distúrbios são eventos complexos que não podem ser explicados apenas como "selvageria".

Segundo o especialista, eles têm de ser visto diante de um pano de fundo de "crescente descontentamento" em relação ao desemprego entre jovens e às disparidades de renda.

De acordo com Pitts, a maioria dos manifestantes vem de locais pobres e não tem nada a perder.

"Eles não têm uma carreira com a qual se preocupar. Eles vivem nas margens, desapontados e capaz de fazer coisas terríveis."

Fonte: BBC

VIOLÊNCIA DAS MASSAS


“A onda de violência [que ocorre na Inglaterra] começou após um protesto pela morte de uma pessoa em confronto com a polícia. A morte levou a revoltas que explodiram no último sábado em Tottenham se espalharam para outras regiões da capital britânica na noite de domingo, que foi marcada por saques e violência em vários pontos de Londres.

O prefeito de Londres, Boris Johnson, que também interrompeu suas férias para retornar à cidade, afirmou que os responsáveis pelos distúrbios “receberão punições que os farão se arrepender amargamente”.
Johnson rejeitou, porém, as “justificativas econômicas ou sociais” para a violência. 

Grupos opositores acusam a prefeitura e o governo britânico de promover cortes em programas sociais que atendem jovens de comunidades carentes, o que teria contribuído para a sensação de frustração e a revolta popular.Segundo a polícia metropolitana de Londres (conhecida como Scotland Yard), 768 pessoas foram detidas ao longo dos quatro dias de distúrbios, com 105 delas indiciadas”. BBC

O irmão de Jesus, que liderou a igreja primitiva em seu núcleo em Jerusalém, sabia muito bem o que era a opressão dos povos; escrevendo no capítulo 5 de sua carta ele afirma:

1Atendei, agora, ricos, chorai lamentando, por causa das vossas desventuras, que vos sobrevirão.
2  As vossas riquezas estão corruptas, e as vossas roupagens, comidas de traça;
3  o vosso ouro e a vossa prata foram gastos de ferrugens, e a sua ferrugem há de ser por testemunho contra vós mesmos e há de devorar, como fogo, as vossas carnes. Tesouros acumulastes nos últimos dias.
4  Eis que o salário dos trabalhadores que ceifaram os vossos campos e que por vós foi retido com fraude está clamando; e os clamores dos ceifeiros penetraram até aos ouvidos do Senhor dos Exércitos.
5  Tendes vivido regaladamente sobre a terra; tendes vivido nos prazeres; tendes engordado o vosso coração, em dia de matança;
6  tendes condenado e matado o justo, sem que ele vos faça resistência.

Há um misto de desigualdade, intolerância, vandalismo e revolta nestas manifestações violentas nas cidades britânicas. Há registros dos mesmos levantes na França, onde a população imigrante também é opressa e sofre com a desigualdade.

Esses levantes criminosos (de ambos os lados – governo e população) podem se espalhar por todo o mundo. O povo está percebendo que possui força pela maioria numérica.

Os levantes de revolta no mundo islâmico e os de Londres de um fator em comum – a exploração e opressão do povo. No Egito, Líbia e outros países islâmicos a opressão de um ditador; em Londres a opressão de um governo e sociedade isolacionista.

Nem o mundo ocidental, nem os países do oriente próximo é melhor que o outro; ambos oprimem e exploram.

De acordo com a carta de Tiago, virá um castigo maior; “os clamores dos ceifeiros penetraram até aos ouvidos do Senhor dos Exércitos”. Deus trará juízos maiores e mais trágicos do que estes sobre os opressores deste mundo.

Imediatamente após descrever essa desigualdade, Tiago menciona a Segunda Vinda: v.8 “Sede vós também pacientes e fortalecei o vosso coração, pois a vinda do Senhor está próxima.

Amém. Vem, Senhor Jesus!

CRISE ECONÔMICA – UMA REALIDADE DA PROFECIA


“O presidente da Comissão Europeia, José Manuel Barroso, alertou nesta quinta-feira que a crise da dívida está se espalhando e pode afetar grandes economias da zona do euro.

Em uma carta dirigida aos governos europeus, ele pediu uma reavaliação de todos os elementos do Instrumento Europeu de Estabilidade Financeira (EFSF, na sigla em inglês) - um fundo criado em 2010 em resposta à crise da dívida em países da zona do euro, como Grécia, Irlanda e Portugal - com o objetivo de evitar o contágio de outros países”. BBC

Depois de dois anos (2008) os países voltam a ter uma instabilidade financeira global. O século 21 tem sido palco de ondas de instabilidade; já é a terceira crise econômica mundial que este século presencia.

O Apocalipse relata uma grande crise financeira final. Como um livro dedicado às questões espirituais, não é de se esperar um relato detalhado de como será essa grande crise financeira.

A profecia apocalíptica se dedica a descrever a ruína de Babilônia (o sistema religioso corrompido). Babilônia é descrita como sendo a “grande cidade que domina sobre os reis da terra” Apocalipse 17:18.

De acordo com a profecia essa cidade é o Vaticano – lembre-se que o Apocalipse é um livro que aborda questões espirituais – e essa crise irá alcançar o estado católico romano.

O grande objetivo de Deus é derrubar as duas bestas (reinos) os EUA e o Vaticano. Na última década o que temos visto é uma derrocada dos americanos, e isso, de acordo com a profecia vai afetar o Vaticano.

O capítulo 18 descreve a crise econômica que o Vaticano mergulhará causando a sua ruína e por fim sua aniquilação como poder religioso e político:

11  E, sobre ela, choram e pranteiam os mercadores da terra, porque já ninguém compra a sua mercadoria,
12  mercadoria de ouro, de prata, de pedras preciosas, de pérolas, de linho finíssimo, de púrpura, de seda, de escarlata; e toda espécie de madeira odorífera, todo gênero de objeto de marfim, toda qualidade de móvel de madeira preciosíssima, de bronze, de ferro e de mármore;
13  e canela de cheiro, especiarias, incenso, ungüento, bálsamo, vinho, azeite, flor de farinha, trigo, gado e ovelhas; e de cavalos, de carros, de escravos e até almas humanas.
14  O fruto sazonado, que a tua alma tanto apeteceu, se apartou de ti, e para ti se extinguiu tudo o que é delicado e esplêndido, e nunca jamais serão achados.
15  Os mercadores destas coisas, que, por meio dela, se enriqueceram, conservar-se-ão de longe, pelo medo do seu tormento, chorando e pranteando,
16  dizendo: Ai! Ai da grande cidade, que estava vestida de linho finíssimo, de púrpura, e de escarlata, adornada de ouro, e de pedras preciosas, e de pérolas,
17  porque, em uma só hora, ficou devastada tamanha riqueza! E todo piloto, e todo aquele que navega livremente, e marinheiros, e quantos labutam no mar conservaram-se de longe.
18  Então, vendo a fumaceira do seu incêndio, gritavam: Que cidade se compara à grande cidade?
19  Lançaram pó sobre a cabeça e, chorando e pranteando, gritavam: Ai! Ai da grande cidade, na qual se enriqueceram todos os que possuíam navios no mar, à custa da sua opulência, porque, em uma só hora, foi devastada! 

A ênfase é nas riquezas perdidas e na sua crise financeira que lhe levou ao fim de sua existência – “em uma só hora, ficou devastada tamanha riqueza” v.17.

O cenário esta esboçado, e tem um propósito divino – destruir as duas nações que tem corrompido as verdades Divinas e colocado a Lei de Deus em descrédito.